quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Defensores do impeachment de Dilma poupam Cunha durante ato na Câmara

BRASILIA, DF, BRASIL, 21-10-2015, 10h00: O presidente da câmara dos deputados dep. Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recebe das mãos dos líderes da oposição e da filha do jurista Helio Bicudo, Maria Lucia Bicudo, um novo pedido de impeachment feito pela oposição que contempla as chamadas pedaladas fiscais que teriam sido cometidas neste ano. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)

Os deputados e líderes de movimentos de rua que participaram na Câmara dos Deputados do ato de entrega do novo pedido de impeachment contra Dilma Rousseff pregaram nesta quarta-feira (21) a urgência do fim da corrupção no mundo político, mas, nos discursos, não mencionaram em nenhum momento o nome de Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Cabe ao presidente da Câmara, que abriu seu gabinete para receber o novo pedido, decidir se dá ou não sequência ao processo contra a petista. O peemedebista foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República sob a suspeita de envolvimento no petrolão e é suspeito de esconder no exterior contas irrigadas pelo esquema.

Na entrevista coletiva concedida logo após a entrega, os líderes dos dois principais partidos de oposição, Carlos Sampaio (PSDB-SP), e Mendonça Filho (DEM-PE), não apareceram, diferentemente do ocorrido em outras ocasiões. PSDB e DEM foram representados por vice-líderes.

A principal fala nesta entrevista coube a Maria Lúcia Bicudo, filha do ex-petista Hélio Bicudo. "O que eu queria dizer é que há necessidade hoje que esse movimento de ruas dos jovens transformem e modifiquem esse país. (...) Temos que ir as ruas lutar por esse ideal, por um país melhor, sem corrupção e sem conchavos políticos".

Destoando do discurso público, em que optam pelo silêncio ou por um tímido pedido de afastamento, nos bastidores tanto oposição quanto governo mantém o suporte político a Cunha com o objetivo, cada qual, de influenciá-lo na decisão sobre o impeachment.

Nenhum comentário:

Postar um comentário