terça-feira, 25 de novembro de 2014

Dá pra confiar na Black Friday no Brasil?

O administrador de empresas Wilden Nunes Junior, de 32 anos, mudou de casa há duas semanas, mas ainda não tem um eletrodoméstico sequer. Preferiu esperar a chamada Black Friday, o dia de promoções especiais importado pelo comércio brasileiro dos Estados Unidos há quatro anos.

Mas Nunes não está certo de que equipará a cozinha e a sala pagando menos, como pretende. "Estou desconfiado, porque não tive nenhuma experiência com outras edições. Como dizem que é uma farsa, preciso ver pra crer", diz.

"Vou acabar comprando de qualquer jeito. Se os produtos não estiverem mais baratos, o único prejuízo será ter atrasado minhas compras em 15 dias. A não ser que fiquem mais caros, o que seria absurdo. Mas achei que valia a pena correr o risco."

Muitos consumidores estão na mesma situação. A Black Friday, o dia seguinte ao Dia de Ação de Graças, é tradicionalmente um dia de descontos no varejo americano.

O nome Black Friday, que em inglês significa literalmente "Sexta-Feira Negra", faz mais sentido traduzido para o português como "Sexta-Feira Azul", pois o feriado (nos EUA), pois passou a denotar o momento em que as lojas aproveitam para sair do vermelho e passar a registrar lucro.

No Brasil, as promoções foram realizadas pela primeira vez em 2010, ainda de forma tímida, movimentando R$ 3 milhões em vendas, segundo levantamento da consultoria ClearSale, e cresceram exponencialmente desde então.

No ano passado, o volume movimentado pelos produtos vendidos saltou para R$ 424 milhões - quase o dobro do registrado em 2012, quando o montante já havia sido 117% superior ao de 2011.

Junto com o aumento das vendas, também se multiplicaram os problemas. O site Reclame Aqui recebeu no ano passado 8,5 mil reclamações por causa da Black Friday, 6,2% a mais do que em 2012.

Do total, 27% eram relativas à maquiagem de preços, nome dado à prática de elevar o valor de um produto poucos dias antes da data da promoção para oferecer então um "desconto" em que o preço cobrado é igual ou até mesmo superior ao valor não-promocional.

Em 2013, uma pesquisa do Programa de Administração de Varejo, um centro de estudos em consumo, e da Íconna, empresa de monitoramento de comércio eletrônico, mostrou que o número de produtos que ficaram mais caros na Black Friday foi maior do que o dobro daqueles que receberam descontos.

Após o fim do evento, 22,6% das mercadorias oferecidas com "ofertas" tiveram seus preços reduzidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário