terça-feira, 4 de novembro de 2014

AÉCIO DIZ QUE VAI LIDERAR “EXÉRCITO” DA OPOSIÇÃO

Por volta das 15h desta terça-feira (4), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi recebido na entrada do Congresso Nacional por uma multidão de cerca de 350 pessoas, entre jornalistas, populares, governadores, parlamentares, servidores e assessores.
Aos gritos de "Aécio!", "presidente!" e "fora PT!", a multidão também cantou o Hino Nacional, no que foi acompanhada pelo senador, derrotado em segundo turno da disputa da Presidência da República no último dia 26.
Depois de entrar pelo acesso ao Congresso conhecido como Chapelaria, Aécio, cercado pela multidão, foi aos poucos se encaminhando ao Plenário do Senado, onde conseguiu entrar às 15h30. O senador estava emocionado pela acolhida e falou brevemente à imprensa.
- Essa recepção é tudo que um político poderia querer de uma trajetória, que não se encerra. Chego hoje ao Congresso para exercer o papel que me foi delegado por grande maioria da população brasileira – disse Aécio.
O parlamentar sinalizou que não pretende dialogar com o governo da presidente Dilma Rousseff. "Vou ser oposição sem adjetivos. Se quiserem dialogar, apresentem propostas que interessem aos brasileiros", disse.
Ele também afirmou que "somos hoje um grande exército a favor do Brasil e prontos para fazer a oposição que a opinião pública determinou que fizéssemos.
Aécio obteve 51,04 milhões de votos no segundo turno (48,36%), contra 54,5 milhões da presidente Dilma Rousseff, reeleita. O PSDB pediu, por meio do seu coordenador jurídico, Carlos Sampaio, uma auditoria especial nos resultados das eleições. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda não tomou decisão a respeito do pedido.
Leia abaixo a fala de Aécio na coletiva de imprensa concedida no Senado:
Sobre a recepção no Congresso Nacional
Não esperava uma recepção tão forte e tão marcante. Desde que embarquei hoje, chegando no aeroporto em Brasília e, agora, sendo recebido desta forma no Congresso Nacional. O Brasil despertou. O Brasil hoje é um Brasil diferente, da eleição emergiu um novo Brasil. Um Brasil que quer ser protagonista da construção do seu próprio futuro. As pessoas não deixaram de estar mobilizadas a partir do resultado da eleição. O que percebo é o contrário.
As pessoas continuam emocionadas, querendo construir um futuro melhor para suas famílias, para seus filhos. Essa é uma mobilização inédita na nossa história contemporânea. O que tenho visto aqui hoje no Congresso e o que eu tenho visto nesses dias por onde tenho andado, é um sentimento de que quando o governo olhar para a oposição, sugiro que não contabilize mais o número de cadeiras ou de assentos no Senado ou na Câmara. Olhe bem que vai encontrar mais de 50 milhões de brasileiros que vão estar vigilantes, cobrando atitude deste governo. Cobrando investigações em relação às denúncias de corrupção, cobrando a melhoria dos nossos indicadores econômicos ou nossos indicadores sociais.
Somos hoje um grande exército a favor do Brasil e pronto para fazer a oposição que a opinião pública determinou que fizéssemos. Chego hoje ao Congresso Nacional para exercer o papel que me foi delegado por grande maioria da população brasileira. Por 51 milhões de brasileiros. Vou ser oposição sem adjetivos. Se quiserem dialogar, apresentem propostas que interessem aos brasileiros. No mais, vamos cobrar eficiência na gestão pública, transparência nos gastos públicos. Vamos cobrar que as denúncias de corrupção sejam apuradas e investigadas em profundidade. Portanto, hoje, o Brasil se encontra com o seu futuro. A partir das manifestações que estamos vendo ocorrer em todas as partes do país.
A nossa posição será sempre de defesa intransigente da democracia, das liberdades, contra qualquer tentativa de cerceamento da liberdade de imprensa ou de quaisquer outras liberdades, sejam coletivas ou individuais. Hoje, portanto, estamos assistindo aqui e vocês são testemunhas, de um novo Brasil surgindo. Um Brasil verdadeiro, um Brasil que não aceita mais passivamente tantos malfeitos, tantas incorreções e tanta ineficiência. Portanto, chego hoje ao Senado revigorado e serei oposição com a mesma coragem e com a mesma honradez que me preparei para governar o Brasil.
Sobre nova agenda para o Brasil
Seremos intérpretes da pauta da sociedade brasileira. O Brasil discutiu ao longo desses últimos meses uma agenda, uma agenda para o Brasil. Uma agenda que passa pela transparência na economia. Uma agenda que passa pela melhoria dos nossos indicadores sociais. Uma agenda que passa pela investigação profunda e dura de todas essas denúncias que aí estão a pulular, a surgir todos os dias. Essa é a agenda da sociedade brasileira. Vamos estar prontos para defender essa agenda. Cabe ao governo dar gestos objetivos e claros sobre que direção quer caminhar. Porque se for na direção em que caminhou nos últimos quatro anos essa oposição, que já é de 51 milhões de brasileiros que foram às urnas, tende a crescer pelos próximos anos.
Sobre manifestações
Respeito a democracia permanentemente. E qualquer utilização dessas manifestações no sentido de qualquer tipo de retrocesso à democracia terá a nossa mais veemente oposição. Fui o candidato das liberdades, da democracia, do respeito. Aqueles que agem de forma autoritária e truculenta estão no outro campo político, não estão no nosso campo político.
Qual o diálogo o senhor está disposto a liderar?
Cabe ao governo apresentar suas propostas. Dizer que reforma política, por exemplo, prega. Dizer de que forma vai permitir que os investimentos que deixaram o Brasil voltem para o Brasil. De que forma vai manter e construir sua base de apoio no Congresso Nacional. Os gestos do governo serão observados por nós. Mas esse governo, pela forma como agiu na campanha eleitoral, de forma absolutamente desrespeitosa para com seus adversários, de forma, a meu ver, absolutamente temerária em relação aos beneficiários de programas sociais permanentemente ameaçados de perdê-los se nós vencêssemos as eleições, não legitima esse governo, nesse instante, para uma proposta de diálogo sem que o conteúdo dessas propostas seja conhecido por nós. Portanto, infelizmente o governo da presidente Dilma venceu essas eleições perdendo. Eu, e aqui lembro Marina Silva, perdi essas eleições vencendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário