domingo, 23 de fevereiro de 2014

Plano de Abastecimento de Água de Belém terá participação do Estado

Mais de 800 pessoas participaram do seminário sobre o Plano de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário para a Área Rural de Belém, realizado no auditório da Funbosque, na última sexta-feira 21.
A iniciativa é da Prefeitura Municipal de Belém (PMB), por meio da Agência Reguladora Municipal de Água e Esgoto (Amae), em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), que participará da elaboração do Plano por meio das articulações de sua Rede Paraense de Tecnologias Sociais (RTS/PA). A realização do seminário visa coletar subsídios que nortearão a segunda conferência e consulta pública sobre o plano, prevista para acontecer ainda neste primeiro semestre.
Com a elaboração do projeto político municipal, a PMB priorizará o abastecimento de água em zonas rurais do município, com a utilização de tecnologias sociais. Além disso, o plano prevê a ampliação da cobertura espacial do serviço de esgotamento sanitário e da capacidade de escoamento das vazões dos rios, por meio do melhoramento dos canais e estruturas de drenagem para controlar as cheias urbanas.
A abertura do seminário contou a presença do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, que confirmou o interesse da PMB em formalizar uma parceria com a RTS/PA para a utilização de tecnologias sociais nas ilhas de Belém.
“Nunca houve uma política pública de atendimento aos ribeirinhos quando se fala em abastecimento de água e esgotamento sanitário. Devemos fazer com que o poder público filie-se às iniciativas inovadoras para poder aplicá-las em todo o Estado. Ainda este ano, a PMB pretende implantar 200 sistemas de coleta de água da chuva nas ilhas, trabalhando, também, o processo educativo com as populações, para despertar o interesse e o compromisso com todos os processos que abarcam a utilização de tecnologias sociais, com o objetivo de obter água potável”, afirmou Zenaldo.
A parte técnica do seminário foi iniciada pelo secretário municipal de Saneamento, Luiz Otávio Mota Pereira, que explicou detalhes sobre a politica municipal de saneamento básico. Em seguida, o diretor de tecnologias sociais da Secti, Evandro Ladislau, apresentou a RTS/PA para os participantes do seminário, explicando de que forma as tecnologias sociais podem ser soluções alternativas no plano a ser elaborado.
“Boa parte do que se gasta na área da saúde no Pará advém de doenças de veiculação hídrica. Por isso, o Governo do Estado está buscando uma relação mais aproximada com as demandas das comunidades ribeirinhas paraenses, para relacioná-las com os atores das universidades e dos institutos de ciência e tecnologia, com o objetivo de viabilizar soluções para esses problemas, por meio das tecnologias sociais", explica.
Ainda este ano, 70 sistemas de captação de água de chuva serão instalados no Estado, por meio de uma parceria entre a Secti e a Secretaria de Estado de Assistência Social, somando-se aos 200 sistemas anunciados pelo prefeito. "Isso é sinal de que o poder público regional já consegue observar as vantagens desse método de conseguir água potável”, explicou Evandro Ladislau.
O Plano de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário para a Área Rural de Belém deve ser lançado até agosto deste ano e será regularizado pela Amae, com execução financiada pela Caixa Econômica e pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Nenhum comentário:

Postar um comentário