segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Místicos dizem que 2014 será ano de embates

O ano de 2013 se despede e deixa uma nova série de desafios para o ano-novo que promete -segundo os místicos, astrólogos, umbandistas, cabalísticos e adivinhos – ser de muitas lutas e também de vitórias. Vêm aí a Copa do Mundo, que será sediada no Brasil, as eleições para presidente e governador e ainda a busca pela tão sonhada paz. 

De acordo com o babalorixá Adnamar de Ogum, este não será um ano bom para Belém, que deverá sofrer mudanças para melhor somente a partir de 2015. Enquanto que o astrólogo Mayas Filho prevê um ano de investimentos para a cidade. 

Em 2014, um atleta paraense também poderá se destacar e conquistar o Brasil, tornando-se um novo ídolo. 

Para quem acredita no poder das cores e na energia delas, o recomendável é passar a virada de ano vestido com as cores vermelho e branco.

Para a numerologia, 2014 é um número par e isto já indica um ano de mudanças quando comparado a 2013, que é ímpar e tendeu a ser negativo em diversos aspectos.

“Em 2014 nada será igual a como foi em 2013. Tudo muda e as coisas não se repetem. Neste ano-novo veremos tudo aquilo que não vimos no ano que passou”, exalta o babalorixá.

Mayas Filho explica que soma da numeração 2-0-1-4 resulta num total de sete, número considerado bom, de progresso, porém com um custo elevado. “Sete são as cores do arco íris, são os dias da semana, as notas musicais, os mares, os pecados capitais, os anões... O sete é um número que trás consigo grandes mistérios”, ressalta o astrólogo.

Os astros indicam que o ano-novo será regido por Júpiter, que é considerado o grande benéfico do zodíaco e todos serão favorecidos por ele. “Todos podem esperar o melhor para suas vidas. O que estava parado vai voltar a andar com toda força”, prevê Mayas.

Ao mesmo tempo, o babalorixá Adnamar reforça que, para os umbandistas, o novo ano será regido por Xangô e Inhansã, orixás considerados da guerra e da justiça. No sincretismo, Xangô equivale a São Judas Tadeu, São Jerônimo, São João Batista e São Pedro; enquanto que Inhansã é Santa Bárbara para os católicos. Isto já aponta para um período de lutas, conquistas e vitórias para todos.

“Num panorama sobre o Brasil, a nossa seleção tem o dever de conquistar a taça do mundo. Além disso, o povo terá de lutar para escolher o novo chefe de Estado, quem serão os novos governantes e a vitória será dos melhores”, adianta Adnamar.

Nem Adnamar e nem Mayas, porém, arriscaram a previsão para o resultado da Copa do Mundo. Eles atentam apenas que os Estados onde os jogos irão acontecer irão dar um salto grandioso na economia. Como Belém não está entre as sedes das partidas, não deve receber investimentos consideráveis. “A copa vai gerar empregos e finanças para muitas famílias, mas em Belém as coisas só devem melhorar a partir de 2015”, enfatiza o babalorixá.

Em relação a política, o babalorixá afirma que o Pará tem dois nomes muito fortes para disputar as eleições para governador e a disputa não será fácil. Em contrapartida, o astrólogo ressalta que serão três candidatos na disputa e os dois nomes que forem para o segundo turno serão os mais fortes e os mais cotados desde o início da campanha. 

“Vai vencer o que tiver o melhor poder de articulação”, disse Mayas Filho, Ele ressaltou ainda que a presidente Dilma Rousseff não terá problemas para se reeleger.

Para 2014 é pouco provável que os brasileiros saiam às ruas novamente em grandes atos de manifestação. No entanto, as áreas da saúde e segurança devem ser as mais cuidadas pelo poder público. “É possível sim que haja desenvolvimento na área da saúde”, frisa Adnamar de Ogum. “Educação, saneamento e transportes ainda terão de espertar. Há muitas deficiências nestes setores, tanto a nível nacional como estadual”, completou Mayas.

INÍCIO DE ANO PEDE CUIDADO. PARÁ PODE BRILHAR NO ESPORTE

No ano passado, o babalorixá  Adnamar de Ogum destacou que a música paraense e a cultura do Estado seriam levados ao cenário nacional de forma como nunca foi vista. “Comentei que seria o melhor ano para a Gaby Amarantos, e foi. Para este ano -novo, acho que a música paraense sai um pouquinho do foco, mas um novo paraense irá se destacar, só que no esporte. Mais precisamente algum lutador”, projetou.

A economia paraense vai continuar impulsionada pela mineração, segundo Adnamar, porém os conflitos envolvendo povos indígenas devem se intensificar no interior do Estado. “Eles estão sendo expulsos de casa pelo homem branco. Ainda vão rolar lutas e conflitos”, comenta o umbandista.

Para muitos paraenses, alerta o astrólogo Mayas Filho, o ano já pode começar com tristezas. Por isso é importante que todos tenham cuidado com a segurança. “Logo na entrada do ano muitos brasileiros irão chorar muito. Os paraenses terão um ano sem grandes atropelos, somente pequenos eventos desagradáveis”, prevê.

Otimista, o babalorixá não comenta sobre previsões para tragédias. “Não adianta dizer que vai morrer alguém porque todos estamos aqui para isso. Tragédias e fenômenos acontecem desde o início dos tempos. Aviões sempre estão sujeitos a cair e navios a naufragar. Acho que o mais importante agora é pedir paz. O mundo precisa de orações e pedindo o fim da violência”, frisou Adnamar. (Diário Online)

Nenhum comentário:

Postar um comentário