quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Cosanpa conclui limpeza dos lagos Bolonha e Águia Preta

A Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) encerrou nesta quinta-feira (31), após oito meses de trabalho, a limpeza dos lagos Bolonha e Água Preta, os principais mananciais da região metropolitana de Belém. Foram retirados 371 mil metros quadrados de vegetação aquática do Bolonha e 1,2 mil metros quadrados do Água Preta. A última limpeza fora feita em 2009.

A Cosanpa contratou uma empresa especializada para o trabalho, que usou dez mergulhadores. A preocupação era preservar a fauna dos lagos. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) fez o resgate de 400 animais, entre serpentes, lagartos e anfíbios. Eles foram soltos em uma área onde a vegetação foi preservada, no Parque Estadual do Utinga, em frente ao lago Bolonha. A equipe de limpeza também usou um caminhão para retirar as plantas aquáticas (macrófitas) que eram cortadas da superfície dos lagos.

Segundo o gerente de Produção de Água da Estação do Bolonha, Edvaldo Silva, essa vegetação se desenvolve em média 20% ao dia, por conta da quantidade de material orgânico lançado nos mananciais, vindo dos esgotos. “Quando os mananciais estão ocupados pelas plantas, há redução no nível de oxigênio, o que prejudica a vida no lago e pode até tornar a água imprópria para o consumo humano, apesar do uso de produtos químicos no tratamento”, informa.

A Cosanpa avalia que a limpeza foi positiva. Os mananciais estão 100% limpos, e isso vai influenciar na qualidade da água distribuída, melhorando o oxigênio dissolvido e eliminando o risco de morte que antes havia para os peixes, além de melhorar também o fluxo da água e a captação de água bruta, que muitas vezes sofria problemas com a presença das plantas.

Manutenção – Nesta quinta-feira, também foi publicado, em jornal de grande circulação de Belém, o início da licitação para a contratação da empresa que vai prestar à Cosanpa o serviço de conservação das estruturas de captação de água, com atividades aquáticas e subaquáticas de dragagem dos canais de admissão de água bruta do rio Guamá e dos lagos Bolonha e Água Preta. O trabalho vai permitir que as captações não sejam prejudicadas pela invasão de plantas aquáticas. A Cosanpa vai avaliar em quanto tempo será necessário fazer uma nova grande limpeza nos mananciais de Belém.

A Cosanpa está elaborando ainda o projeto de implantação do sistema integrado de saneamento da bacia de abrangência da Área de Proteção Ambiental (APA) do Utinga. O projeto consiste na construção de uma rede coletora de esgoto, estações elevatórias de esgoto, interceptores e estação de tratamento de esgoto. Objetivo é criar uma parede de proteção para os mananciais que abastecem 70% da região metropolitana e permitir maior qualidade de vida à população de cerca de 55 mil pessoas que vive nos bairros Curió-Utinga, Souza e Marco, em Belém, e parte da Guanabara, em Ananindeua.

O recurso para a primeira fase do projeto de esgotamento sanitário no entorno da APA Utinga, no valor de R$ 146 milhões, foi aprovado pela Caixa Econômica Federal, via Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) II. O projeto está em fase de elaboração pela equipe de engenheiros da Diretoria de Expansão e Tecnologia da Cosanpa. A previsão é que a licitação para a contratação da empresa que vai executá-lo comece no segundo semestre de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário